quinta-feira, 20 de maio de 2010

A salganhada facebookiana



Um pouco no seguimento deste post, venho aqui perguntar a vossas excelências como é possível largar-se numa das maiores redes sociais do mundo, neste caso falo do Facebook, as maiores verborreias jamais lidas (e ouvidas!) ao cimo deste planeta.

Comenta-se e escreve-se no Facebook como se se estivesse a falar com os amigos na rua ou no café. Comenta-se notícias - a título de exemplo, na página da TSF no Facebook - com um bota-abaixo do mais alto gabarito. Coisas mesmo de bradar aos céus.

Convenhamos, por vezes tenho - ou posso ter - opiniões ainda mais radicais e/ou extremistas do que aquelas que por vezes são lá expressas; o que não posso - não devo! - é tornar público tamanhas opiniões que não teríamos uma ponta de coragem de as dizer em frente a um qualquer estranho. É que é disso mesmo que se trata: os nosso comentários ficam visíveis a milhares - milhões? - de estranhos. E o resto é conversa.

Podem chamar a isto de hipocrisia ou falta de coragem ou de convicção. Não. Eu chamo a isto resguardo intelectual. Nada que já não façamos no nosso dia-a-dia não virtual. Muito facilmente esquecido aquando das navegações cibernautas.

4 comentários:

Mós disse...

como é possível? eu sou extremamente feliz e nunca pûs os meus pés no facebook! :P

fiuza, qual o espanto? abrindo as portas e ofercendo todo o tipo de liberdades... o homem não está preparado para tal!
"Quem sabe, sabe e quem não sabe, ensina!"
Todos temos que dar o nosso bitaite! É um impulso estranho, mas bastante comum e normalmente afecta quem não tem muito para dizer, pois sente-se na obrigação de se exceder e então atira coisas cá para fora! Assim, espera obter algum tipo de reconhecimento!
Por vezes até podes apanhar coisas engraçada, mas o mais provável é que leias/oiças coisas irrelevantes e/ou obsoletas!

É tudo um jogo! Se tu entras nele, é bom que estejas consciente das regras e as aceites! Caso contrário, mais vale abdicares dele!

Ao recordar o que já escrevi pnho-me a pensar se não seremos mais um desses fulanos? Ao fim e ao acabo haverá sempre um peixe maior, right? :P

ahahaha
"Vamos brindar com vinho verde que é do meu Portugal
e o vinho verde me fará recordar
a aldeia branca que deixei atrás do mar,
vamos brindar com verde vinho para que possa cantar.." :D

André disse...

sim pedro, mas em não problematizo o facto de se usar esta ferramenta, digo eu, absolutamente fantástica. Já problematizo isso sim, e questiono, a(s) FORMA(s) de usar a dita ferramenta.

Carlota Siéva disse...

já ameacei e já estive mais perto de cumprir: vou vender tudo, largar tudo, e refugiar-me em África a ensinar e ajudar quem precisa.

God...

André disse...

África sounds nice! Mas escolhe bem.. há uns que nem que me pagassem lá iria. Mas de entre 54 países africanos... alguns devem ser simpáticos.